Encantado, ao mesmo tempo desiludido.
Por fora levito e observo os movimentos.
Tão sempre
e sempre tão sem vida.
Sem amor.
Agora indiferente ao mundo, reparo o tempo.
Ponto de descanso
tento refletir e organizar os segundos que vão se passando.

Alguns goles de cachaça ajudam.
Alguns goles de absinto, um porto ainda se preucupa com suas asas.
Can fly?

Admiro a linda poesia, você vê o que sente? .
Me seguro
A naftalina alimenta meu campo desmatado.
em minhas mãos vazias, mãe, derrama as lágrimas.
Te olho, de cabeça baixa,

Ainda consigo me encantar por uma alma pura.

Ainda consigo sentir falta de amor.
Ainda vou enguer minha cabeça.

Essas lágrimas não são só minhas.

Não serão tuas.
[ ver mensagens anteriores ]